Preços das viagens devem continuar subindo em 2023

3
Créditos: Freepik
 gif-ppvex-online-OK.gif

De acordo com o Global Business Travel Forecast 2023, publicado na última quarta-feira, 10, pela CWT, plataforma de gerenciamento de viagens, e pela Global Business Travel Association (GBTA), prevê-se, para o desespero dos viajantes, que os preços das viagens continuem aumentando nos até o final de 2022 e ao longo de 2023.

Fatores como o aumento dos preços dos combustíveis, a escassez de funcionários e a inflação provavelmente serão os principais motivos para preços mais altos nos próximos 18 meses, de acordo com a Previsão Global de Viagens de Negócios de 2023.

Passagens Aéreas

No geral, os preços devem subir 48,5% ainda em 2022 em relação a 2021, após dois anos de declínio acentuado. Mesmo com esse um aumento, os preços devem subir mais 8,4% em 2023.

Com a maioria dos países reabrindo as fronteiras, veremos uma parcela maior de reservas de passagens internacionais e um preço médio de passagem mais alto, apesar das incertezas causadas pela guerra na Ucrânia. Após dois anos de despesas mínimas ou nulas, os viajantes provavelmente estarão dispostos a gastar mais em passagens, especialmente porque a disponibilidade diminui devido à escassez de mão de obra.

Hotéis

Os preços dos hotéis caíram 13,3% em 2020 em relação a 2019 e mais 9,5% em 2021, no entanto, espera-se que eles subam 18,5% em 2022, seguidos por um aumento de 8,2% em 2023.

Os valores já ultrapassaram os níveis de 2019 em algumas áreas, como Europa, Oriente Médio, África e América do Norte. Espera-se que o aumento seja mundial até 2023.

Os aumentos nas tarifas de hotéis foram decorrência das viagens de lazer em 2021, mas as viagens a negócios também estão voltando aos poucos, impactando ainda mais os preços diárias dos hotéis.

Aluguel de Carros

Os preços mundiais de aluguel de carros caíram 2,5% em 2020 em relação a 2019, antes de subir 5,1% em 2021. Os preços devem aumentar 7,3% em 2022 e subir mais 6,8% em 2023.

A indústria automobilística continua com capacidade limitada e as agências de aluguel que reduziram o tamanho das frotas na pandemia ainda não se recuperaram totalmente, devido em parte à falta de componentes e à redução da fabricação mundial de automóveis.

Sabemos que enquanto houver demanda, os preços seguirão altos, até mesmo pelo fato mencionado no estudo, de muita gente ter ficado praticamente 2 anos sem viagens e hoje acabam não se importando de pagar mais caro por uma viagem.

E você, acredita em uma possibilidade de normalização dos preços ou enxerga essa alta como a nova realidade do viajante?

Para Saber Mais

Para ler outras notícias que publicamos recentemente no Pontos pra Voar, clique aqui.


Que tal nos acompanhar no Instagram para não perder nossas lives e também nos seguir em nosso canal no Telegram?

O Pontos pra Voar pode eventualmente receber comissões em compras realizadas através de alguns dos links e banners dispostos em nosso site, sem que isso tenha qualquer impacto no preço final do produto ou serviço por você adquirido.

Quando publicamos artigos patrocinados, estes são claramente identificados ao longo do texto. Para maiores informações, consulte nossa Política de Privacidade