9 dicas para você fazer uma boa emissão de passagem com pontos

6
9 dicas para você fazer uma boa emissão de passagem com pontos
Créditos: Freepik
 gif-ppvex-online-OK.gif

Sabendo das dificuldades que nossos leitores vem enfrentando no momento, resolvi trazer neste artigo algumas dicas gerais de como conseguir realizar uma boa emissão de passagem com pontos.

Antes, contudo, destaco porque, atualmente, é ainda mais importante conseguir realizar boas emissões.

A Importância de uma Boa Emissão de Passagem com Pontos

Conseguir realizar uma boa emissão significa, normalmente, extrair, no mínimo, um bom valor das suas milhas acumuladas.

No presente, no entanto, considero que uma boa emissão é ainda mais importante, porque além de cumprir com o objetivo acima citado, acaba por trazer ao milheiro viajante uma economia ainda maior.

Certo que o bom uso das suas milhas já representava, de longa data, uma boa economia.

Porém, nos tempos atuais, em que uma simples passagem em classe econômica para voar cerca de duas horas dentro do país chega a custar mais de R$ 3 mil reais, a economia é ainda mais significativa.

Isso que sequer estamos apontando exemplos de viagens para a Europa que, mesmo em classe econômica, podem ultrapassar os R$ 8 mil reais em bilhetes pagantes.

Portanto, com os bilhetes pagantes com preços nas alturas, a busca por uma boa emissão é um objetivo ainda mais importante (e também difícil) a ser alcançado.

Para que este objetivo seja alcançado, alguns requisitos devem ser atingidos.

Assim, sem pretender ser taxativo (as dicas a seguir são meramente exemplificativas), lanço algumas dicas para conseguir boas emissões.

O que é Necessário para Conseguir Boas Emissões

Para que se consiga realizar boas emissões, fundamental buscar conhecimentos de base (pilares) ligados ao tema, além de praticar muito.

Como enfatizo para os alunos, leitores e seguidores, o tema das emissões está vinculado tanto ao conhecimento teórico, como ao conhecimento prático.

É na soma destas duas questões que você, milheiro viajante, conseguirá realizar boas emissões.

Neste sentido, destaco os seguinte pontos a seguir:

Alianças Aéreas e Parceiras

Inicialmente, é fundamental conhecer como são formadas as três grandes alianças aéreas mundiais (Star Alliance, Oneworld e Skyteam), assim como conhecer quais os parceiros fora das alianças que cada programa de fidelidade mantém (a Azul, por exemplo, mantém parceria com a United), bem como saber que há programas de fidelidade de cias que não integram as três grandes alianças mundiais, mas nem por isso podem ser ignorados.

Em relação a este último ponto, a Etihad e a Emirates são dois grandes exemplos.

Apesar destas duas cias não integrarem uma grande aliança aérea mundial, mantém laços (parcerias) com diversas outras.

A Etihad, por exemplo, mantém parceria com a American Airlines, o que possibilita que você consiga realizar emissões com milhas do programa AAdvantage para voar na companhia.

Do mesmo modo, considerando que a Emirates mantém parceria com a TAP, é possível usar as milhas do programa Miles&Go para voar com a companhia.

Para saber mais sobre as três grandes alianças aéreas mundiais, recomendo a leitura deste post aqui.

9 dicas para você fazer uma boa emissão de passagem com pontos
As três grandes alianças mundiais.

Precificação e Tipos de Tabelas

Também é muito importante conhecer as formas de precificação dos programas, como as tabelas adotadas: a) dinâmica; b) fixa ou c) híbrida (o que, inclusive, já foi abordado por mim neste post aqui).

Dicas para conseguir realizar uma boa emissão
Tabela fixa do programa Miles&Go em classe econômica.

Tarifas Prêmio e Tarifas Comerciais – Diferenças

Nesta mesma linha das precificações que os programas adotam, destaco a necessidade de saber identificar as tarifas comerciais das tarifas award/prêmio.

Neste sentido, já fiz um post apontando como realizar esta diferenciação no interline do programa TudoAzul, isto é, nas emissões com as cias parceiras do programa.

Assim, recomendo a leitura deste post aqui.

Programas de Fidelidade Internacionais

É no mínimo recomendável conhecer, também, além dos programas nacionais, os programas internacionais, como, por exemplo, o programa TAP Miles&Go, AAdvantage, Iberia Plus e British Executive Club, já que fundamentais para alcançar os mais variados destinos no mundo.

9 dicas para você fazer uma boa emissão de passagem com pontos
O excepcional programa AAdvantage da American Airlines.

No atual momento de poucas disponibilidades de tarifas prêmio, ter mais opções de resgates é por demais importante, inclusive como forma de ao menos minimizar as inflações nos resgates com milhas (é inegável que certos programas internacionais possuem tabelas mais estáveis e, assim, menos suscetíveis à inflação).

9 dicas para você fazer uma boa emissão de passagem com pontos
Programa Executive Club da British Airways.

Conhecer e Utilizar as Ferramentas Pagas e Gratuitas

É bem importante, também, saber usar as ferramentas (gratuitas e pagas) para auxiliar na busca de rotas e disponibilidades, para otimizar e ampliar a sua busca.

Neste sentido, destaco as seguintes: Google Flights, FlightConnections e ExpertFlyer.

Exemplo de pesquisa no Google Flights.

Os Melhores Resgates de Cada Programa

Também é muito importante conhecer os melhores resgates (“sweet spots”) de cada programa, para maximizar e extrair o maior valor dos seus pontos no momento da emissão da sua passagem.

Neste sentido, já temos alguns posts destacando os melhores resgates de alguns programas, como do programa AAdvantage, por exemplo (os de classe econômica e executiva você pode encontrar aqui e aqui).

9 dicas para você fazer uma boa emissão de passagem com pontos
GCMAP explorando de forma combinada os sweet spots dos programas LATAM Pass e TAP Miles&Go.

A Prática Leva à Perfeição

É imperativa a prática habitual e incessante de todo o processo de busca até a última etapa da emissão de uma passagem com pontos, mesmo que como simples simulação para fins de aprendizado.

Não por acaso eu recomendo aos alunos, seguidores e leitores que pesquisem e, se for o caso, liguem para o call center do programa para checar se, de fato, há a disponibilidade consultada (ainda que se trate de uma mera simulação/teste).

Como eu frisei anteriormente, o conhecimento (de base) teórico, aliado ao prático, fará toda a diferença ao final.

Emitir com Antecedência

É também fundamental fazer a emissão com bastante antecedência, pois, via de regra, as disponibilidades são muito disputadas, como eu já venho alertando semanalmente nos posts da série compartilhando emissões (que você pode consultar aqui).

Inclusive, também se mostra importante saber a partir de quando as cias podem disponibilizar assentos para emissões de bilhetes prêmio. Para tanto, recomendo a leitura deste post aqui.

Saiba quando as companhias aéreas liberam os assentos para reservas com pontos
As emissões com antecedência são fundamentais, ainda mais atualmente.

Saber Identificar e Conhecer as Taxas

Finalmente, nos tempos atuais, em que o custo do barril do petróleo está atingindo altos patamares, considerando que algumas cias e programas estão repassando esta alta para os resgates através da instituição ou majoração da taxa de combustível (YQ/YR), convém saber identificar esta cobrança para que seja possível conhecer quais as cias que cobram.

Neste sentido, recomendo (também como forma de evitar as altas taxas aeroportuárias de alguns aeroportos do mundo, sobretudo Europa) a leitura deste post aqui e desse aqui, em que eu explico com mais detalhes todas estas importantes questões.

9 dicas para você fazer uma boa emissão de passagem com pontos
Importante conhecer as taxas incidentes na emissão, sobretudo, atualmente, a taxa de combustível.

Tome Nota

Como visto, apesar das dificuldades atuais de se encontrar bons resgates para emissões com milhas, considerando a escassez de liberação de vagas “saver award” (tarifa básica) pelas cias aos programas parceiros, há alguns requisitos que, se cumpridos, podem facilitar sobremaneira este processo.

Neste sentido, no presente post, citei algumas dicas a respeito, apontando o que é necessário praticar e conhecer para conseguir boas emissões.

Trata-se de dicas exemplificativas (e não taxativas), isto é, são apenas alguns exemplos do nada fácil caminho de aprendizado aliado à prática para que se consiga extrair o maior valor possível das suas milhas, viajando com maior economia e conforto.

É na conjugação do conhecimento de base (pilares) com a prática do dia-a-dia das pesquisas e efetivo processo de emissão que o milheiro viajante irá desenvolver o conhecimento e as habilidades necessárias para tanto.

E, a partir disso, no presente post, busquei citar alguns elementos fundamentais para que isso seja possível.

Evidentemente que imagino que a grande maioria dos leitores ainda não preencha todos os requisitos acima elencados, o que não significa que não possam já conseguir boas emissões a partir do conhecimento e aplicação de apenas alguns deles. Todavia, quanto mais itens foram observados, mais fácil será concretizar esse objetivo.

E você, leitor, já imaginava que para realizar uma boa emissão de passagem com pontos era necessário aliar o conhecimento à prática?

Neste sentido, concorda com as dicas e sugestões do post? Teria mais alguma dica para agregar além das acima já citadas?

Compartilhe a sua opinião nos comentários.


Que tal nos acompanhar no Instagram para não perder nossas lives e também nos seguir em nosso canal no Telegram?

O Pontos pra Voar pode eventualmente receber comissões em compras realizadas através de alguns dos links e banners dispostos em nosso site, sem que isso tenha qualquer impacto no preço final do produto ou serviço por você adquirido.

Quando publicamos artigos patrocinados, estes são claramente identificados ao longo do texto. Para maiores informações, consulte nossa Política de Privacidade.