Projeto Sunrise: Será viável um voo direto da Qantas entre a Austrália e o Brasil?

10
Projeto Sunrise: Será viável um voo direto da Qantas entre a Austrália e o Brasil?
Créditos: Qantas

Conforme amplamente noticiado no início do mês de maio, a Qantas encomendou, entre outros, 12 aviões do modelo A350-1000, para dar continuidade ao Projeto Sunrise, suspenso em maio de 2020 devido à pandemia da Covid-19. A empresa australiana pretende, com o uso dessas aeronaves de ultra longa distância, voar percursos superiores a 16.000km, sem a necessidade de uma parada técnica para reabastecimento.

Atualmente, o voo mais longo non-stop operado pela Qantas é o trecho entre Perth, na costa oeste da Austrália, a Londres, cuja distância é de 14.500km, cumpridos em, aproximadamente, 17 horas de voo. Este trecho, sem paradas entre as duas cidades, revelou-se muito popular, tanto que, segundo a empresa, 75% do tráfego de passageiros tinha como origem ou destino final a cidade de Perth.

Dado o sucesso da rota, a empresa australiana identificou a demanda para investir em uma rota sem escalas entre as duas principais capitais econômicas da costa leste da Austrália, Sydney e Melbourne, e metrópoles como Londres, Paris e Nova York.

Créditos: RDC Aviation

Muito se especula, no contexto do projeto Sunsire, se a Qantas operaria voos entre Sydney e São Paulo ou Rio de Janeiro, sem paradas. Vale aqui ressaltar que, na América do Sul, a empresa já operou voos de Sydney direto para Buenos Aires (até 2012)  e para Santiago – este suspenso em decorrência da pandemia, com previsão de retomada para o dia 31 de outubro de 2022.

Vejamos, agora, a análise dos custos que a Qantas teria para operar o trecho entre Sydney e São Paulo, utilizando a aeronave recém encomendada para o projeto Sunrise, na configuração anunciada de 238 passageiros, divididos da seguinte forma: 6 assentos em primeira classe, 52 em classe executiva, 40 em econômica premium e 140 em econômica.

De acordo com os dados fornecidos pela RDC Aviation, o custo para operar somente o trecho SYD-GRU sem paradas, levando em consideração uma ocupação de 90% da aeronave, seria em torno de US$ 1.170,00 (R$6.000) por passageiro, excluídas as taxas aeroportuárias. Dada à distância de 13.400km que separa os dois destinos, a despesa com combustível gira em torno de 50% do custo total por passageiro, conforme se vê no quadro abaixo.

Créditos: RDC Aviation

Fica claro que, para justificar o investimento da Qantas em um voo direto entre Sydney e São Paulo, tem de haver uma forte demanda de tráfego corporativo, em razão dos altos custos para operar a rota.

Via de regra, o passageiro de viagem a negócios, com menor flexibilidade de horários e cioso por uma experiência mais conveniente,  estaria mais propenso a pagar tarifas mais altas pela comodidade e facilidade de se alcançar mais rapidamente o destino final.

Preço médio em classe econômica para voos entre Brasil e Austrália – Créditos: Google Flights

Por outro lado, o passageiro de turismo ou estudantes que, em regra, possuem maior flexibilidade de tempo e antecedência para planejamento, estão mais propensos a pagar uma tarifa mais baixa, ainda que o trajeto envolva uma ou duas conexões. A pergunta que fica é:

Haveria demanda suficiente de passageiros dispostos a pagar um preço premium para voar direto do Brasil para a Austrália?

A Qantas, antes de cogitar este trecho direto para o Brasil, certamente testará os voos ultralongos, no contexto do Projeto Sunrise, em mercados mais consolidados, principalmente entre a Austrália e o Reino Unido – a famosa “Kangoroo Route”, em decorrência dos fortes links culturais entre os dois países.

Para Saber Mais

Para ler outros artigos publicados recentemente no Pontos pra Voar sobre empresas aéreas, clique aqui.


Que tal nos acompanhar no Instagram para não perder nossas lives e também nos seguir em nosso canal no Telegram?

O Pontos pra Voar pode eventualmente receber comissões em compras realizadas através de alguns dos links e banners dispostos em nosso site, sem que isso tenha qualquer impacto no preço final do produto ou serviço por você adquirido.

Quando publicamos artigos patrocinados, estes são claramente identificados ao longo do texto. Para maiores informações, consulte nossa Política de Privacidade.