O preço das passagens aéreas internacionais no pós pandemia

5
O preço das passagens aéreas internacionais no pós pandemia

Ao que tudo indica, depois de mais de dois anos de tanto sofrimento, a pandemia vai perdendo força e o mundo começa a retornar à sua normalidade. Neste período, a indústria da aviação foi, sem sobra de dúvidas, uma das mais atingidas pela Covid-19. No auge da pandemia, as companhias aéreas em todo o mundo se viram obrigadas a reduzir drasticamente seus voos.

A situação não foi diferente no Brasil que, em abril e maio de 2020, registrou uma redução de 93% no número de assentos disponíveis no mercado, em comparação ao mesmo periodo do ano anterior, segundos dados da OAG.

Agora, com o avanço da vacinação e a consequente redução das restrições de mobilidade das pessoas, a demanda por viagens – domésticas e internacionais – vem crescendo exponencialmente em todo o mundo. O mesmo quadro se repete no Brasil, que já recuperou mais de 85% de sua malha aérea doméstica já no início do ano de 2022, segundo a Abear.

Surge, assim, a pergunta que não quer calar: qual o impacto dessa demanda reprimida por viagens no preço das passagens aéreas internacionais? E em relação à disponibilidade de bilhetes por pontos e milhas?

Segundo dados da ANAC, o preço médio das passagens em classe econômica para os Estados Unidos e Portugal, em janeiro de 2022, destinos favoritos dos brasileiros, comparado ao mesmo período antes de pandemia (janeiro de 2020), aumentou em torno de 15%.

Por outro lado, se compararmos os preços de janeiro de 2022 com aqueles praticados em janeiro de 2021, no auge da segunda onda da pandemia, o aumento de preço fica ainda mais claro, podendo chegar a até 78% no caso das passagens do Brasil para Portugal.

O aumento no preço das passagens aéreas internacionais pode ser atribuído a vários fatores como a alta do querosene da aviação, desvalorização do real frente ao dólar e, certamente, a alta demanda por viagens aéreas (a inafastável lei da oferta e da procura!). Fica claro que este cenário também impacta a disponibilidade, no caso da tabela fixa, e o preço, no caso da tabela variável, das passagens emitidas com pontos.

Pois bem, se uma companhia aérea sabe que consegue vender um bilhete pago em determinada rota, com forte procura, e ainda por cima com um bom rendimento (yield), os assentos disponibilizados para emissão com milhas serão reduzidos ao mínimo (quando não zeradas). Ou então, o preço da tabela variável será mais caro, vide a recente dificuldade de se encontrar bilhetes no TAP Miles&Go, no trecho Brasil – Europa por 39.500 milhas.

O cenário para os próximos meses em relação ao valor das passagens não é dos mais promissores, principalmente para o viajante de última hora. Com um planejamento correto e uma emissão antecipada, ainda existem formas de se contornar esta alta no preço dos bilhetes, seja pagante em dinheiro ou emissão com milhas.

Para Saber Mais

Para ler outras notícias que publicamos recentemente no Pontos pra Voar, clique aqui.


Que tal nos acompanhar no Instagram para não perder nossas lives e também nos seguir em nosso canal no Telegram?

O Pontos pra Voar pode eventualmente receber comissões em compras realizadas através de alguns dos links e banners dispostos em nosso site, sem que isso tenha qualquer impacto no preço final do produto ou serviço por você adquirido.

Quando publicamos artigos patrocinados, estes são claramente identificados ao longo do texto. Para maiores informações, consulte nossa Política de Privacidade.