Direto da Galley: A preparação para o serviço de bordo é uma operação de guerra!

12
Direto da Galley: A preparação para o serviço de bordo é uma operação de guerra!

É sempre uma satisfação quando conseguimos receber a nossa escolha durante o serviço de bordo, não é? Mas o que acontece antes da sua massa ou frango chegar quentinha até você? Vamos descobrir juntos como é a preparação para o serviço de bordo?

Welcome aboard!

Chegando Cedo na Festa

Todo processo da preparação do serviço de bordo começa muito antes do voo. Ainda em solo nas instalações do catering, milhares de refeições são preparadas diariamente em uma linha de montagem incrível e precisa.

Quando estão prontas, as refeições congeladas, acompanhamentos, bebidas, salgadinhos, condimentos e tudo que for necessário para o serviço de bordo acontecer seguem para o embarque na aeronave embalados dentro de carts e containers selados.

Esses equipamentos são acomodados pelo pessoal de terra sempre nos mesmos compartimentos das galleys. Segue-se um esquema padronizado chamado “Galley Loading Plan“. Isso ajuda a tripulação a decorar onde cada item fica guardado.

E são muitos! Um voo longo pode carregar facilmente mais de 60 containers e 15 carts (ou trolleys, como é chamado aqui no Brasil). Isso tudo considerando apenas uma galley.

Ter um padrão também aumenta a segurança. Afinal, se um container estiver em um local diferente do usual, provavelmente irá chamar a atenção da tripulação e uma inspeção rígida deverá ser feita no equipamento.

Mas quem é o responsável por conferir se tudo foi corretamente carregado a bordo? O catering? Antes fosse. Mas essa é uma das funções atribuídas aos operadores de galley (ou galley operators).

O Galley Operator

São chamados simplesmente de galley pelos colegas. Junto do supervisor (na econômica) ou do chefe de cabine (na executiva e primeira classe), esses heróis sem capa carregam toda a responsabilidade do serviço de bordo funcionar como o esperado pela empresa.

São também os tripulantes que mais trabalham pesado durante toda a viagem na preparacão do serviço de bordo. Sabe aquele voo onde a comida demorou demais para vir? Provavelmente o galley se atrapalhou um pouco naquele dia…

Por isso, há uma certa tradição dos colegas mais antigos serem escolhidos durante o briefing para trabalharem nesta posição. Embora já tenha visto também muito novato ser “convocado” para ser o galley da vez, sem qualquer chance de negociação.

Restava apenas pedir por muita paciência e ajuda dos demais colegas. Por sorte, minha primeira galley foi somente após vários meses voando.

Pre Passenger Boarding Checks

Terminado o briefing. Logo ao entrar na aeronave, precisamos fazer os checks de segurança e de equipamentos, como todos os demais tripulantes. Terminada essa parte, seguimos para os deveres específicos da galley, e claro, a preparação do serviço de bordo efetivamente!

Começamos por remover os selos de todos os equipamentos que foram embarcados em nossa área de responsabilidade. Além de checarmos também a presença dos carts de bebidas alcóolicas devidamente cadeados e selados. Mas qual a função desses selos? Termos a certeza de que ninguém adicionou algum objeto não esperado, em um ato de terrorismo ou sabotagem.

Depois, conferimos se todos os fornos e refrigeradores estão funcionando bem, assim como os indispensáveis chillers (resfriadores que manterão a comida congelada). Não vamos querer descobrir em pleno ar que um dos fornos não funciona ou que a comida simplesmente deixou de ser segura para o consumo, não é mesmo? Por isso a importância de testarmos tudo ainda em solo.

Feito isso, vamos para a contagem? Contaremos a quantidade de meals (as “quentinhas”, ou refeições que os pax recebem) e seus acompanhamentos, SPML (special meals, as refeições pedidas para casos de restrições alimentares religiosas ou médicas). Ah, precisamos também contar os carrinhos onde ficam todas as bandejas que os passageiros recebem junto com o pãozinho, frutas e talheres.

Concluindo essa parte, não podemos esquecer de conferir itens como copos plásticos e de papel, caixas térmicas que servirão para alocar as quentinhas enquanto são servidas na cabine, os sacos de gelo (que irão inevitavelmente derreter durante o voo), bandejas de serviço, luvas e a lista segue…

Quando estamos retornando para casa (inbound), é preciso carregar todas quentinhas para dentro de todos os fornos antes de cada serviço. Já quando partimos de nossa base (outbound), o catering passa a ser o responsável em deixar as refeições prontas para esquentar.

Sempre um Passo à Frente

Enquanto o embarque acontece, precisamos começar a preparar, ainda em solo, as jarras de café e chá para o primeiro serviço após a decolagem.

Os infusores podem levar alguns minutos para encher cada jarra. Um único serviço pode exigir 16 jarras ou até mais. Logo, iremos nos preparar com a maior antecedência possível, já que o tempo sempre está contra nós.

Um longo voo como AUH-JFK (Nova York) possui vários serviços que vão ocorrendo durante a fase de cruzeiro, fazendo com a preparação do serviço de bordo nunca acabe! Os serviços incluem: serviço de bar, refeição principal com 3 escolhas de pratos, serviço de lanche quente, serviço de lanche frio e antes de pousar, café da manhã ou refeição express com 2 escolhas de pratos quentes. Quase todos acompanhados de chá, café e muitas call bells. 😉

A sequência é como uma linha de montagem que precisa funcionar em sintonia. Tudo segue uma dinâmica simples, embora trabalhosa. Enquanto nossos colegas estão na cabine servindo os passageiros com os carrinhos, precisamos ir preparando tudo que for possível para a próxima etapa.

Se acontecer dos colegas retornarem antes de tudo estar perfeitamente organizado e preparado, começa uma grande bagunça e todo fluxo é quebrado.

Já presenciei verdadeiros desastres nessa hora, quando a falta de prática e organização do galley fez com que todos botassem a mão na massa, socorrendo o colega apavorado.

Para um galley mais experiente, as piores coisas que podem acontecer nessa hora é algo parar de funcionar ou um pax desavisado chegar com algum pedido, ou reclamação. Isso acaba nos fazendo perder preciosos minutos.

O Desperdício é a Lei…

Algo que sempre me incomodou demais na aviação é a quantidade absurda de lixo gerado e de comida jogada fora em um único voo.

O catering envia sempre o número exato de refeições conforme o load (assentos ocupados). Mesmo assim, muitos pax escolhem não comer, ou não apreciam a comida servida. Era sempre uma dor no coração ter que descartar várias quentinhas que levaram somente uma garfada, ou nem haviam sido abertas.

Buscando uma solução para esse problema, a empresa Emirati chamada The Concept está desenvolvendo uma smart tray, a Neos Fly+.

Essas bandejas registrarão dados o tempo todo, permitindo rastrear o consumo e desperdício dentro dos aviões. Com uma eficácia muito maior do que acontece hoje. Além disso, permitirá também registrar preferências em tempo real conforme os destinos, entre muitas outras possibilidades.

Torço para que esse projeto um dia se torne uma realidade na aviação comercial, tornando muito mais sustentável as atividades nesse mercado.

Bem, o nosso voo parece ter chegado ao fim. Espero que tenha aproveitado bem a viagem.

Bye, bye! Thank you for flying with PPV Airways.

Para Saber Mais

Para ler outros artigos do Direto da Galley, clique aqui.

Caso você queira ler algum assunto específico nesta coluna, deixe sua sugestão nos comentários.


Que tal nos acompanhar no Instagram para não perder nossas lives e também nos seguir em nosso canal no Telegram?

O Pontos pra Voar pode eventualmente receber comissões em compras realizadas através de alguns dos links e banners dispostos em nosso site, sem que isso tenha qualquer impacto no preço final do produto ou serviço por você adquirido.

Quando publicamos artigos patrocinados, esses são claramente identificados ao longo do texto. Para maiores informações, consulte nossa Política de Privacidade.