O que sobrou dos aplicativos de pagamento?

11
O que sobrou dos aplicativos de pagamento?

E a nossa vida não anda nada fácil! Em maio e setembro do ano passado, escrevemos sobre a derrocada dos aplicativos de pagamento. Entretanto, diante do Armageddon dos últimos dias, decidimos revisitar o tema e ver o que sobrou. Vamos lá!

iti

O iti, carteira digital do Itaú Unibanco, era um aplicativo muito interessante para geração de milhas gratuitas, pois permitia 10 transferências mensais de iti para iti, por meio do cartão de crédito, sem custo.

No entanto, eles passaram a cobrar por essas transferências em setembro de 2021, da seguinte forma: as transferências de iti pra iti com o cartão de crédito passaram a cobrar taxa de 1,49% com o cartão de crédito iti e 3,99% para outros cartões.

Para nós, o que interessava eram as transferências de iti pra iti com outros cartões de crédito, já que o cartão de crédito do iti não gera milhas. Portanto, a taxa cobrada de 3,99% inviabilizou totalmente o serviço, que foi abandonado pelos usuários.

Ame

O Ame acabou com o cashback nos postos Petrobras no dia 1º de maio de 2021, conforme publicamos aqui, mudança que à época foi comunicada aos usuários do aplicativo com 1 dia de antecedência!

Em setembro de 2021, tivemos mais uma má notícia! O Ame passou a cobrar taxa de 3,59% nas transferências com o cartão de crédito, conforme publicamos aqui.

Vale destacar que o Ame ainda cobra a taxa de 1,99% para pagamento de contas com o cartão de crédito, o que é uma taxa tolerável, a depender do caso.

O Ame já foi bem mais interessante. Hoje com as limitações impostas por eles, o aplicativo perdeu muita atratividade.

PicPay

O PicPay era outro aplicativo de pagamento muito utilizado para geração de milhas baratas, que foi acabando aos poucos.

Em junho de 2021, eles aumentaram a taxa de 1,99% para 3,59% e o limite mensal para pagamentos com o cartão de crédito, pra quem não era usuário Pro, foi reduzido de R$ 800 para R$ 600.

Em dezembro de 2021, o aplicativo reduziu esse limite para R$ 500, depois para R$ 300 em janeiro de 2022. E finalmente, em março de 2022, eliminou totalmente o limite gratuito para pagamentos com o cartão de crédito, conforme publicamos aqui.

Portanto, desde então, sem permitir nenhum pagamento sem custo utilizando o cartão de crédito, o Picpay inviabilizou totalmente o serviço, que foi abandonado pelos usuários.

RecargaPay

O RecargaPay também piorou as regras para pagamentos de contas pela plataforma nos últimos tempos.

Em outubro de 2021, os clientes do plano Prime+, que custa R$ 19,99 por mês, passaram a ter o limite de apenas R$ 1.500 por mês sem taxas, para pagamentos feitos com cartão de crédito.

Na época, os clientes que não assinavam o plano Prime+, passaram a ter o limite de R$ 300 por mês, apenas para pagamento de contas de consumo, com o cartão de crédito, sem a incidência de taxas.

Em fevereiro de 2022, o RecargaPay passou a cobrar taxa de 3,49% para pagamento de contas com o cartão de crédito, tanto para os usuários gratuitos, quanto para os usuários Prime+, conforme publicamos aqui.

Por fim, eles também retiraram os R$ 300 gratuitos para pagamentos de contas de consumo e reduziram na franquia para pagamento de contas, por meio do cartão de crédito, dos assinantes do plano Prime+, que passa a ser de R$ 1.000 por mês e começa a valer a partir do dia 4 de junho de 2022, conforme publicamos aqui.

O RecargaPay já foi bem mais interessante. Hoje com as limitações impostas por eles, o aplicativo perdeu muita atratividade.

Mercado Pago

Ontem anunciamos aqui uma péssima notícia para os usuários do Mercado Pago, que irá aumentar a taxa para pagamento de contas com o cartão de crédito, de 2,99% para 3,99%, a partir de 13 de junho de 2022.

A mudança é péssima e vai impactar diretamente as pessoas que buscam o Mercado Pago para pagamento de suas contas do dia-a-dia com o cartão de crédito, a fim de gerarem milhas mais baratas para transferência para os programas de fidelidade.

Iq

Ontem também anunciamos aqui outra péssima notícia. O IQ anunciou o encerramento do serviço de pagamento e gestão de contas pela plataforma, a partir do dia 1º de julho.

O IQ era um aplicativo muito interessante e o fim anunciado é muito triste!

A notícia é péssima e vai impactar diretamente as pessoas que buscavam o aplicativo IQ para pagamento de suas contas de consumo sem taxas, por meio do cartão de crédito, a fim de gerarem milhas gratuitas para transferência para os programas de fidelidade.

Tome Nota

Os aplicativos de pagamento de boletos são muito práticos para maximizar o acúmulo de pontos e milhas, nas transações em que normalmente não seria possível tal acúmulo, porém é importante ficarmos atentos ao fato de que as regras mudam com frequência.

Com relação às transferências entre usuários do iti por meio de cartões de crédito, a taxa cobrada de 3,99%, inviabilizou totalmente o serviço, que foi abandonado pelos usuários.

Sobre o Ame Digital e o Picpay, a taxa cobrada de 3,59% em transferências e 1,99% para pagamentos de contas com cartão de crédito no Ame, também inviabilizaram o uso desses serviços, que com a ressalva do pagamento de contas no Ame, a depender do caso, devem ser abandonados.

Finalmente, o RecargaPay também já foi mais interessante. Hoje, para clientes que assinam o plano Prime+ ao custo de R$ 19,99 por mês, que permite pagar R$ 1.000 sem taxas, esse custo representa uma taxa efetiva de 1,99%, o que representa um custo elevado para pagamento de contas com o cartão de crédito.

E vocês, o acharam das mudanças nos aplicativos de pagamento?

Para Saber Mais

Aqui você encontra outras notícias sobre aplicativos de pagamento que publicamos recentemente.


Que tal nos acompanhar no Instagram para não perder nossas lives e também nos seguir em nosso canal no Telegram?

O Pontos pra Voar pode eventualmente receber comissões em compras realizadas através de alguns dos links e banners dispostos em nosso site, sem que isso tenha qualquer impacto no preço final do produto ou serviço por você adquirido.

Quando publicamos artigos patrocinados, estes são claramente identificados ao longo do texto. Para maiores informações, consulte nossa Política de Privacidade.