Passo a passo de como abrir uma conta e construir histórico de crédito nos Estados Unidos

59
Como abrir uma conta e construir histórico de crédito nos Estados Unidos

Atendendo aos pedidos dos nossos leitores, vamos explicar para vocês hoje como abrir uma conta corrente, pedir um cartão de crédito e construir histórico de crédito nos Estados Unidos.

Apesar de já termos um excelente relato aqui no PPV, feito pelo Bernardo do Mais Viagens e Pontos, vou explicar para vocês como foi que eu comecei, afinal de contas, como dizem por lá, YMMV (your mileage may vary), ou seja, cada pessoa tem uma experiência diferente da outra, por inúmeras razões.

Abrindo uma Conta Corrente nos Estados Unidos

Eu abri a minha conta no Bank of America (BofA) em fevereiro de 2019. Mesmo com planejamento por um bom tempo (já havia estado duas vezes na porta da agência com os documentos em mãos e não entrei), foi na terceira vez que decidi seguir adiante.

Fiz um agendamento pelo site para uma agência em Orlando, compareci à agencia no dia e hora agendados, porém a agência estava lotada, inclusive com muitos brasileiros.

Após alguma demora, quando finalmente me chamaram, recusaram a abertura da minha conta, pelo fato de eu não ter um comprovante de endereço em meu nome (eu tinha apenas o endereço de um amigo anotado em um papel).

Como eu já tinha lido vários relatos nesse sentido, apenas agradeci e fui embora. Peguei o carro e me dirigi a outra agência, essa bem vazia, mesmo sem agendamento, fui super bem atendido e saí de lá com a conta aberta.

Portanto, aqui fica a primeira dica importante, nunca desista se não der certo na primeira tentativa. Inclusive já vá preparado para isso e siga imediatamente para outra agência, caso não dê certo na primeira.

Documentos Necessários

Para a abertura da conta, o BofA exige duas peças de identidade, que podem ser o passaporte brasileiro e a CNH ou o passaporte brasileiro e um cartão de crédito “conhecido”. No meu caso, apresentei o passaporte e o TPC (American Express The Platinum Card) brasileiro, por ser um cartão facilmente reconhecido por lá.

Endereço Americano

Para a abertura da conta, mesmo que você informe um endereço residencial no Brasil, você precisará de um endereço de correspondência americano para receber os cartões e correspondências do banco.

No meu caso, como eu disse acima, eu usei o endereço de um amigo, o que facilita bastante o processo. Mas caso esse não seja o seu caso, não desanime, você poderá usar um dos redirecionadores que aceitam correspondências bancárias, como é o caso do Planet Express.

Vou colocar aqui o relato do Bernardo, para vocês entenderem como funciona esse processo:

Depois de uma pesquisa, eu descobri que o Planet Express poderia ser utilizado para esse fim e o que estava faltando pra mim era habilitar que fosse recebido em meu nome todo o tipo de correspondência.

 

Para isso você precisa preencher um formulário (USPS 1583) e seguir as instruções desta página. Depois de preenchido (ou já fazer o download preenchido) é necessário “autenticar” o formulário (imagine que é como ir ao cartório só que virtualmente).

 

O Planet Express tem uma parceria com o NotaryCam e esse serviço custa U$ 25. Tudo funciona de maneira simples, depois de um contato por e-mail é combinado uma hora para fazer uma vídeo conferência onde seus dados e documentos serão validados (tenha passaporte e seus documentos pessoais em mãos). Feito o processo você recebe uma cópia do formulário autenticado e a partir desse momento qualquer correspondência em seu nome poderá ser recebida.

Telefone Americano

Para a abertura da conta, você precisará de um telefone americano, para constar no seu cadastro e também receber os alertas do banco por SMS.

Na época, eu tinha um plano do Google Fi, número que portei posteriormente para o Google Voice, o que eliminou o custo mensal do plano, já que o Voice é totalmente gratuito.

Uma boa opção também é o aplicativo TalkU, que oferece um número de celular americano por um custo bem baixo.

Finalmente, com as duas peças de identidade, endereço e telefone americano em mãos, basta se dirigir à uma agência do BofA e abrir a sua conta corrente (checking account).

A conta que eu abri foi a Advantage Plus, que custa $12 por mês. Porém, a tarifa mensal é automaticamente isentada de duas formas, caso você tenha $1,500 de saldo em conta ou caso você faça um direct deposit de pelo menos $250 por mês. Esse direct deposit pode ser um envio feito do Brasil por meio da (transfer)Wise, que é o método que eu utilizo.

O depósito mínimo para a abertura da conta é de $25, porém eu recomendo, caso tenham disponibilidade, depositar $1,500 no momento da abertura da conta, que foi o que eu fiz. Explicação abaixo.

Construindo Histórico de Crédito nos Estados Unidos

Apesar de muitas pessoas se sentirem satisfeitas apenas com a conta e o cartão de débito, que geram uma enorme economia em gastos no exterior, já que evitam o spread dos bancos brasileiros e o IOF, para outras pessoas a conta é apenas o início da jornada para a construção do histórico de crédito nos Estados Unidos.

Para nós, que não temos nenhum histórico de crédito nos Estados Unidos, a única forma de construí-lo é por meio de um cartão de crédito emitido pelo seu banco de relacionamento, nesse caso, o BofA.

A forma mais comum e garantida de fazer isso é por meio de um secured credit card, que é um cartão segurado, ou seja, o seu limite de crédito será o valor que você depositar na sua conta cartão para esse fim, valor que ficará bloqueado para sua utilização como limite de crédito, até que você tenha histórico suficiente para que esse depósito seja liberado e seu cartão receba um upgrade para um cartão de crédito convencional.

Esse foi o caso do Bernardo e também o que ocorreu com outro amigo:

Vale observar que para o banco são dois processos: abertura de conta e solicitação de cartão. Nesse ponto apenas a primeira parte estava feita. Eu sabia que para partir para outros cartões eu precisava ter conta em um banco e começar a criar meu histórico de crédito no EUA.

 

Quando acabou esse processo ela mesmo já me perguntou se eu queria fazer o cartão, explicando que eu deveria fazer um depósito que serviria como limite do cartão. O processo do cadastro se repetiu e pronto, cartão aprovado.

Entretanto, como eu disse lá no começo, nesse segmento de bancos e cartões americanos, YMMV, sempre!

E aqui segue a explicação que eu me referi no final do tópico anterior. Como eu já tinha lido alguns relatos de sucesso na aprovação de um cartão de crédito convencional já na abertura da conta, ao efetuar um depósito de $1,500, foi exatamente o que eu fiz e deu certo.

No meu caso, o gerente apenas me pediu para retornar à agência no dia seguinte da abertura da conta, para solicitar o cartão, já que o dinheiro, segundo ele, precisava passar um dia na conta para a aplicação ser bem sucedida.

E foi ali na agência, no dia seguinte, que consegui o cartão americano que eu mais gosto até hoje, o Bank of America Travel Rewards.

Esse cartão é especialmente interessante por ser gratuito (isento de anuidade para sempre), pontua 1,5 pontos por dólar gasto, que servem para “apagar” compras em travel e dining, representando um cashback de 1,5%, além de não cobrar FTF (foreign transaction fee), ou seja, todas as compras feitas em qualquer moeda são convertidas para dólares americanos sem nenhum spread ou taxa adicional.

E é após 6 meses com esse primeiro cartão de crédito (6 faturas reportadas aos bureaus de crédito) que a mágica acontece. Após esse período, os outros emissores passam a enxergar o seu histórico de crédito e as portas se abrem, especialmente para a American Express, que é o emissor mais friendly para quem não tem SSN ou ITIN.

Tome Nota

Depois que eu comecei a minha jornada há aproximadamente 2 anos e meio, com o Bank of American Travel Rewards Visa Card, já fui aprovado para os seguintes cartões: American Express Blue Cash Everyday, Delta Skymiles Gold Card, Delta Skymiles Platinum Card, Green Card, Gold Card, Platinum Card (TPC), Hilton Honors Card, Hilton Honors Surpass Card, Hilton Honors Aspire Card, Marriott Bonvoy Business Card, Charles Schwab Platinum Card e Citi AAdvantage Platinum Select World Elite MasterCard.

A entrada nesse novo “mundo” dos cartões americanos é fascinante e extremamente recompensadora, tanto pelas inúmeras opções de cartões disponíveis, pelos programas de fidelidade não acessíveis pelos cartões brasileiros, quanto pelas oportunidades de generosos bônus de adesão (sign up bonus ou welcome bonus) a esses cartões.

O que vocês acharam dessas dicas sobre como abrir uma conta corrente e construir histórico de crédito nos Estados Unidos?

Se tiverem alguma dúvida, estarei aqui para ajudá-los.

Grupos de WhatsApp

Além de todo o conteúdo gratuito que oferecemos em nosso site e no Instagram, também temos grupos de WhatsApp pagos onde você tem espaço para esclarecer dúvidas e aprender com nossos editores, que são especializados no assunto.

Temos um grupo que fala exclusivamente de cartões de crédito nacionais, onde abordamos tópicos como: por onde começar (meu primeiro cartão), como passar para o próximo cartão, como conseguir um cartão premium (Visa Infinite Mastercard Black ou Elo Diners Club), e como isentar anuidade.

Além disso, damos dicas de quais os melhores cartões para pontuação e acesso gratuito às salas VIPs no Brasil e no mundo.

Temos ainda um outro grupo relacionado a cartões de crédito, focado exclusivamente em cartões de crédito internacionais. Lá tiramos dúvidas que vão do passo a passo de como  abrir uma conta corrente internacional, construir o histórico de crédito até a solicitação do cartão em si.

Neste grupo também são compartilhadas as dicas de promoções de aquisição de cartões, isto é, quais cartões oferecem os maiores bônus e também os benefícios associados a eles.

Clicando aqui você acessa a página dos nossos grupos no Chatpay e escolhe quais quer participar.

Para Saber Mais

Clicando neste link você encontra mais informações sobre cartões de crédito em nosso site.


Que tal nos acompanhar no Instagram para não perder nossas lives e também nos seguir em nosso canal no Telegram?

O Pontos pra Voar pode eventualmente receber comissões em compras realizadas através de alguns dos links e banners dispostos em nosso site, sem que isso tenha qualquer impacto no preço final do produto ou serviço por você adquirido.

Quando publicamos artigos patrocinados, esses são claramente identificados ao longo do texto. Para maiores informações, consulte nossa Política de Privacidade.