AAdvantage da American Airlines: Melhores Emissões – Parte 1

37
AAdvantage

Hoje iremos abordar algumas das melhores emissões do programa AAdvantage, da companhia aérea American Airlines, membra da Oneworld. Apesar dos voos próprios com precificação dinâmica em milhas, os resgates com as parceiras são fixos e tabelados por região, possibilitando ótimas oportunidades, especialmente em executiva e primeira classe.

Rotas operadas pela American Airlines (FlightConnections)

A única, mas excelente forma de gerar pontos AAdvantage a partir do Brasil, é por meio do cartão de crédito co-branded Santander AAdvantage, que já analisamos e pontua 2 milhas por Dólar na melhor variante, sendo que uma ou duas vezes por ano oferece bônus que permite triplicar o acúmulo. Alternativamente, possível adquirir pontos diretamente por valor elevado em Dólar ou através da compra de produtos e serviços, como no portal eShopping da própria American Airlines.

Abaixo as companhias Oneworld e parceiras com as quais é possível emissão utilizando milhas AAdvantage, inclusive com a indicação dos resgates que podem ser feitos diretamente no site do programa. Sem dúvidas as melhores oportunidades são com as parceiras, conforme será demonstrado na lista adiante.

Companhias aéreas parceiras da American Airlines

As tabelas por região e com precificação fixa podem ser encontradas diretamente no site do AAdvantage. Importante conhecer quais os países pertencentes a cada uma das regiões, já que foram criadas segundo critérios da própria empresa, o que pode ser localizado na aba “Definições das regiões”.

Para elaboração da lista, que não está em ordem, foram utilizados alguns critérios: emissões que se destacam em razão do custo/distância/cabine; voos no cronograma atual de operação e com disponibilidade em milhas; e taxas aeroportuárias e de combustível em valores razoáveis.

Neste primeiro artigo serão tratados os resgates em econômica e executiva, mas sempre que existir boas oportunidades em outra cabine, serão devidamente mencionadas, com a explicação de algumas regras gerais e informações do programa após a lista. No segundo artigo, a ser lançado na sequência, serão relacionadas as emissões em primeira classe, ponto forte do AAdvantage, além de dicas e informações de como otimizar ainda mais os resgates no programa.

AAdvantage da American Airlines: Melhores Emissões – Parte 1

As Melhores Emissões do AAdvantage da American Airlines – Parte 1 (Great Circle Mapper)
  • POA-BSB-MAO (2.202 milhas), com a Gol Linhas Aéreas, em econômica, por 7.500 milhas + em torno de R$ 40,00 em taxas (emissão somente por telefone). Vale para qualquer destino da Gol dentro do Brasil, inclusive Fernando de Noronha (FEN), mas encontrar disponibilidade para todos os trechos é bem difícil. Dentro da América do Sul as emissões variam entre 10.000 e 12.500 pontos em econômica.
  • CPT-DOH-LHR (7.876 milhas), com a Qatar Airways, em executiva (cabine Qsuite pode ser encontrada em ambos os trechos), por 55.000 milhas + aproximadamente R$ 250,00 em taxas, sendo a emissão possível diretamente pelo site. A partida poderia ser por Joanesburgo (JNB), já o destino qualquer um operado pela Qatar Airways na Europa. Em econômica custa 30.000 milhas.
  • PEK-HKG-AKL (6.922 milhas), com a Cathay Pacific, em executiva, por 40.000 milhas + em torno R$ 360,00 em taxas (emissão possível pelo site). Entre Ásia e Oceania, poderia ser também com as empresas Qantas Airways, Malaysia Airlines e Japan Airlines. Em econômica custa 30.000 milhas e em primeira classe 50.000 (60.000 pontos de/para Japão e Coréia do Sul).

Infelizmente, não existe hoje cronograma de voo em primeira classe entre os dois continentes, com exceção do trecho Sydney (SYD) – Singapura (SIN) com a British Airways por 50.000 milhas, mas as taxas ficam em R$ 950,00. Voltando as operações, opções melhores seriam de Sydney (SYD) para Hong Kong (HKG) com a Qantas Airways ou, então, de/para Tóquio (HND) com a Japan Airlines.

  • BNE-PER (2.246 milhas), com a Qantas Airways, em executiva, por 20.000 milhas + aproximadamente R$ 75,00 em taxas (emissão pode ser pelo site). De modo a realizar o voo doméstico na ótima executiva do Airbus A330, é possível também ser de/para Sydney (SYD) e Melbourne (MEL). Em econômica custa 10.000 milhas. Para Nova Zelândia, em executiva, aumenta para 25.000 pontos; para o Taiti, 30.000 pontos.
  • ICN-DOH-AMM (5.437 milhas), com a Qatar Airways, em executiva (cabine Qsuite pode ser encontrada em ambos os trechos), por 40.000 milhas + em torno de R$ 200,00 em taxas. É viável iniciar a emissão por qualquer país da Ásia operado pela empresa, no entanto, para o melhor aproveitamento do bilhete, o destino deve ser algum intra-Golfo.

A cabine do segundo trecho será em executiva, mas como os voos são comercializados em primeira classe, será possível acesso ao lounge exclusivo por até 24h, com direito a quarto. Em econômica custaria 30.000 milhas.

  • MLE-DOH-CAI (3.335 milhas), com a Qatar Airways (cabine Qsuite pode ser encontrada em ambos os trechos), em executiva, por 30.000 milhas + aproximadamente R$ 335,00 em taxas. É possível iniciar a emissão por qualquer local do Subcontinente Indiano, mas o destino deve ser algum intra-Golfo como na situação anterior para acesso ao lounge da primeira classe. Em econômica custa 17.500 milhas.

Regras e Informações Importantes

– Emissões podem ser one-way ou round-trip;

– Não existe cobrança de taxa de emissão, seja pelo site ou, atualmente, pelo telefone;

– Tecnicamente não é possível stopover na emissão com milhas, mas é possível forçá-lo nos voos próprios American Airlines através da aba “Várias Cidades” do site, pelo mesmo preço ou valores pouca coisa maior;

– A emissão pode ser feita diretamente pelo site para a maioria das empresas parceiras, conforme lista referida anteriormente. Ademais, é possível combinar com voos da American Airlines ou, ainda, emitir empresas Oneworld com parceiras próprias da American Airlines;

– Para voos dentro dos EUA e Canada, são permitidos no máximo três segmentos. Para destinos internacionais, inclusive com parceiras, quatro segmentos. As conexões não podem exceder 24h;

– No caso de não existir todas as disponibilidades pretendidas na cabine escolhida, possível emissão em cabine mista, pelo maior valor; e

– A tabela nem sempre é fiel a divisão geográfica que conhecemos, por isso importante conhecer a definição das regiões. Alguns exemplos: Marrocos como Europa, Egito como Oriente Médio e Manaus em região diferente do Brasil para emissões internacionais (mesma região de Bolívia e Colômbia).

Tome Nota

Estas são algumas das emissões que considero as melhores do AAdvantage da American Airlines, e fazem ótimo uso das regras do programa. Pelo fato de os resgates serem tarifados por valores fixos e por região, acabam por possibilitar opções muito interessantes, sendo que para melhor aproveitamento devem ser de longa distância e buscando as extremidades de ambas as regiões.

Sou suspeito para falar do AAdvantage, que é de longe meu programa favorito, mas reconheço que pode e deve ser complementado com outros bons programas que utilizam tabela fixa. Temos como exemplos o Iberia Plus e o Executive Club da British Airways para algumas emissões específicas próprias, além das de curta e média distância com parceiras Oneworld, em especial para mudança de região; e o Miles&Go da TAP para determinados resgates longos com empresas Star Alliance.

No próximo post complementarei a lista com as emissões em primeira classe, além de trazer outras informações e dicas sobre o programa de modo a otimizar as possibilidades. Vários dos resgates em primeira classe também oferecem boas oportunidades em executiva e econômica, o que será igualmente relacionado.

Para Saber Mais

A segunda parte deste material, com a lista das melhores emissões em primeira classe (com ainda indicações de alguns resgates também em econômica e executiva), pode ser encontrado aqui.